Para a saúde dos fios: alisamentos menos agressivos

All Things Hair
Mulher com cabelos castanho-claro longos e lisos

Se você não abre mão do alisamento, opte por procedimento que agridam menos os fios.

Apesar de recentemente vivermos um movimento cada vez maior de mulheres que decidiram assumir os seus cabelos naturais, muitas ainda optam pela técnica do alisamento, seja por gosto ou pela comodidade. Entretanto, optar por alisamentos menos agressivos pode ser uma boa ideia para tentar manter minimamente a saúde dos fios.

Se antes a busca era por um cabelo liso a qualquer custo, usando até produtos perigosos e prejudiciais a saúde como o formol, atualmente há uma maior preocupação com as consequências desse tipo de procedimento. “Hoje existe uma preocupação com resultado, saúde, cheiro e a integridade dos cabelos e do consumidor.

No inicio, eram usadas a chapinha ou pente quente para alisar os cabelos, em seguida os alisamentos a frio em pastas e bastante cáusticas e superalcalinos, daí então o surgimento da amônia, que usada para bombas também podia alisar e hoje os oxirredutores térmicos fazem esse trabalho, que são os menos agressivos”, conta Wilson Farias, tricologista, visagista e cosmetólogo.

Alisamentos menos agressivos: por quê?

Os chamados alisamentos menos agressivos são aqueles que não alteram a estrutura dos fios, colaborando para que os cabelos continuem saudáveis mesmo passando por um processo de alisamento. “São as chamadas progressivas  ou botox capilar, que não quebram as pontes de dissulfeto de queratina, ou seja, não mudam as estruturas dos fios por meio de desestruturação das camadas mais externas dos fios cabelos”, explica Marcos Coraza, hairstylist do salão Gilberto Cabeleireiros, em São Paulo. E ainda adiciona: “Os alisamentos menos agressivos agem, principalmente, na ligação das pontes de enxofre e no fortalecimento dos fios, acertando também o seu PH, usando como principio ativo o Ácido Glioxílico e a Carbocisteína”.

Entretanto, não é porque esses métodos de alisamentos menos agressivos são mais saudáveis que os fios não precisam de cuidados redobrados. “Nos termo-redutores não é diferente, pois eles diminuem o hidrogênio dos fios e a reposição hídrica é muito importante. Tratar sempre será a melhor solução e obedecer a todas as regras como tempo e força de cada produto e, finalmente, respeitar o histórico e estrutura de cada cabelo”, afirma Wilson.

Para todos os fios

Alisamentos menos agressivos podem ser feitos em qualquer tipo de fio, mas sempre com precaução. “Esse tratamento é bastante restaurador mas, como em qualquer procedimento, é sempre aconselhável fazer um teste de resistência nos fios antes. Em geral, não há incompatibilidade”, diz Marcos.

Entretanto, apesar de poder ser feito em todos os tipos de cabelo, o resultado liso não é garantido para todos. “Os cabelos mais soltos, com cachos do tipo 3A e os mais crespos também podem passar por esse tipo de alisamento, mas antes é necessário um belo combo de tratamentos. E não se alcança um alisamento 100% nos mais crespos”, conta Wilson. Por isso, segundo o tricologista, o alisamento mais indicado para os fios crespos é com hidróxidos.

Manutenção de alisamentos menos agressivos

Já que a sua decisão foi por alisar os fios, é importante manter uma rotina de manutenção para que os cabelos estejam sempre bonitos e, principalmente, saudáveis. “É muito importante, no caso dos alisamentos térmicos, uma reposição hídrica mensal no salão e no caso dos Hidróxidos, além de uma reposição mensal no salão, deve ser feito um condicionamento com máscara de hidratação em casa, semanalmente. O retoque de raiz deve ser feito a partir de 3 meses para ambos os tipos”, aconselha o visagista.

Fique alerta à alergias!

Infelizmente, algumas pessoas podem ter reações alérgicas a certos procedimentos. Por isso, antes de submeter os seus cabelos – e couro cabeludo – a qualquer processo, faça um teste para saber se você não vai ter nenhuma reação. “Todos nós estamos sujeitos a ter uma alergia ou uma dermatite de contato. O mais indicado é o teste de pele antes de usar devemos aplicar uma pequena quantidade do produto a ser usado na região do antebraço e atrás da orelha, aguardar alguns minutos e acompanhar se acontece alguma reação alérgica. E mesmo assim, no caso dos Hidróxidos devemos proteger o couro cabeludo”, finaliza Wilson.

Sugestão de produtos

Sugerimos o Shampoo Dove Pós Progressiva, que ajuda a prolongar o efeito liso em até 70%.

Para um resultado potencializado, combine o shampoo com o Condicionador Dove Pós Progressiva. Com fórmula com pH baixo e sem adição de sal, o produto auxilia na hidratação ainda mais balanceada, sem interferir no processo da progressiva.

Se quiser um tratamento mais profundo, indicamos o Creme De Tratamento TRESemmé Keratin Smooth, que colabora na hidratação, na restauração e no controle do frizz.

Continuar lendo