Luci Gonçalves: “Se descobrir bonita do jeito que você é uma grande ajuda no processo de autoestima”

A vlogger conta tudo sobre transição capilar.

Ela cresceu sem conhecer o cabelo natural e não tinha uma boa relação com os fios. Após virar essa história depois de duas transições capilares, hoje ela ama o cabelo curtinho e crespo. Saiba mais sobre a trajetória capilar da Youtuber Luci Gonçalves nessa entrevista exclusiva. Aqui, ela conta um pouco sobre seu processo de aceitação e dá dicas para quem ainda não tomou coragem de passar pelo mesmo. Inspire-se você também, está imperdível!

ATH entrevista Luci Gonçalves

modelo de Luci Gonçalves
Foto: Reprodução/Instagram @lucigoncalvesa

All Things Hair: Hoje você demonstra uma boa relação com a sua beleza e cabelo afro. Como era a sua relação com o cabelo durante a infância?

Luci Gonçalves: Era bem complicada, pois nunca tinha visto meu cabelo em seu formato natural. Sempre era penteado seco para ser preso, ou com excesso de creme para ficar bem baixo. Logo depois, aos 6 anos, vieram os relaxamentos, então eu realmente não sabia como ele era, mas já o odiava. Meu pai gostava do meu cabelo cacheado, mas aí que morava o problema: ele era crespo, então ninguém sabia o que fazer para cuidar.

ATH: O que a levou a passar pela transição capilar? Qual foi o seu maior aprendizado?

Luci Gonçalves: Sempre foi muito trabalhoso cuidar do meu cabelo, ainda mais depois de alisar aos 14 anos. Com 16, minha vida começou a ficar muito corrida e estava sendo impossível acordar todos os dias 1, 2 horas antes apenas para lavar e escovar. Já tinha tido corte químico e meu cabelo não conseguia se recuperar nem crescer. Nada dava certo, ele estava visivelmente destruído e a prancha diariamente só piorava. Tentei colocar “como voltar para os cachos” na internet e descobri um mundo que estava começando, o da transição capilar. Não pensei duas vezes e comecei sem medo.

Meu maior aprendizado sem dúvida foi arriscar, em tudo. Antes tinha medo de me olhar no espelho, usar uma presilha diferente, fazer um penteado, na maioria das vezes com medo do que iriam falar caso eu saísse daquele padrão que eu mesma tinha criado.

modelo de Luci Gonçalves
Foto: Reprodução/Instagram @lucigoncalvesa

ATH: Qual a maior diferença da Luci antes e depois desse processo?

Luci Gonçalves: A Luci antes não fazia ideia do que era amor próprio. Não evoluía, não conversava consigo mesma, tinha medo até de pensar diferente e de sair da rotina. Agora eu sinto que realmente vivo, mudo e vou evoluindo. Parece que transição capilar é só estética, mas não é. Ela começa primeiro lá de dentro, vai mudando tudo e só depois muda o estético. Hoje tenho confiança para aparecer com qualquer cabelo, qualquer maquiagem ou roupa, contanto que eu me sinta bem. Hoje me respeito, respeito meu tempo, minha fase e minhas escolhas.

ATH: Um corte químico te obrigou a passar pela transição capilar pela segunda vez. Como foi essa experiência?

Luci Gonçalves: Foi ver tudo mudar interna e externamente de novo. Esteticamente não me preocupou muito, pois com a primeira transição eu já tinha pegado o gosto por cabelos curtinhos. Nos primeiros dias foi estranho, depois de tanto tempo com um black grande, ter só dois dedos de cabelo me deixou um pouco sem saber o que fazer. Mas fui reaprendendo a cuidar, aprendendo outras coisas e como me amar daquele jeito.

modelo de Luci Gonçalves
Foto: Reprodução/Instagram @lucigoncalvesa

ATH: Como surgiu a ideia de usar a internet para falar sobre cabelo e outros assuntos? Para você, quais os maiores desafios e recompensas desse trabalho?

Luci Gonçalves: Quando comecei ainda não haviam tantas coisas sobre transição capilar para ajudar as pessoas. Eu lia muitos blogs gringos, ia sugando informações e passando pessoalmente para conhecidos e amigos, que ficaram interessados com a minha mudança capilar. As pessoas não sabiam que era possível ter o cabelo natural depois de tantas químicas e também não sabiam que dava para cuidar dos cabelos gastando pouco. A minha cabeça foi ficando tão cheia de coisas novas, que decidi pôr tudo em textos num blog simples, apenas para ajudas os meus conhecidos. O blog foi tendo acessos e comentários de pessoas que eu não conhecia e quando percebi já era um hobbie. Depois de meses detalhando toda a minha transição capilar por meio de fotos e textos, decidi gravar meu BC (big chop) e colocar em algum lugar para que as pessoas pudessem ver e tomar coragem de conseguir também. As pessoas que acompanhavam o blog foram migrando para o canal, e assim foi crescendo, só depois virou de fato um trabalho.

Hoje eu falo mais sobre minha vida pessoal e comportamento, junto com o mundo da beleza, e meu maior desafio é conseguir conciliar os dois e estar sempre presente nas redes sociais com a vida corrida. A maior recompensa, sem dúvidas, é o carinho que surgiu pelas pessoas que me seguem e saber que posso ajudá-las de várias formas. São muito presentes na minha vida e no meu dia a dia, seja com um recado, um agradecimento… Sou muito grata por todos que fazem parte dessa família que chamamos de #bondedaluci.

modelo de Luci Gonçalves
Foto: Reprodução/Instagram @lucigoncalvesa

ATH: Você está sempre inovando o visual e é a prova de que o big chop não precisa ser o fim do mundo. Quais técnicas utiliza para mudar o cabelo? Qual o seu visual favorito?

Luci Gonçalves: Quando fiz o big chop, vi que podia me aventurar e jamais ficar presa em um cabelo, como fui a vida toda. Então acabei entrando muito no mundo das extensões: tranças, twists, laces. Também me apaixonei por cabelos coloridos e me joguei. Amo todos os cabelos que já tive, mas o cabelo meio a meio, metade castanho escuro e metade platinado, foi o que eu mais gostei.

Luci Gonçalves

ATH: Quando está com o cabelo natural, como é a sua rotina de cuidados capilares?

Luci Gonçalves: Gosto muito de lavar 2 vezes por semana. Na primeira vez uso shampoo, máscara de hidratação ou nutrição, condicionador e finalizo com fitagem. Depois de seco dou bastante volume com as mãos e pente garfo. Vou aproveitando os days after dando ainda mais volume. Na segunda lavagem, gosto muito de lavar com condicionador, principalmente no calor. Assim meu cabelo continua hidratado e limpo durante a semana. Duas vezes por mês também gosto de fazer umectação com óleos vegetais. Cabelo crespo ama óleo e aí as pontinhas não ficam tão ressecadas.

ATH: O que gostaria de fazer com os fios que ainda não fez? Tem algo que nunca faria?

Luci Gonçalves: A única coisa que tenho vontade e ainda não fiz é fazer luzes. E eu costumo dizer “nunca diga nunca” para o meu cabelo, faria qualquer coisa que sentisse vontade.

ATH: Qual dica daria para alguém que tem vontade, mas medo de assumir o cabelo natural?

Luci Gonçalves: Se joga, e vai! A vida é só uma para a gente ter vontade de fazer as coisas e simplesmente não fazer, por medo de ficar feio ou pela opinião alheia. Se descobrir bonita do jeito que você é, independente do cabelo que está usando, é uma grande ajuda no processo de autoestima.

modelo de Luci Gonçalves
Foto: Reprodução/Instagram @lucigoncalvesa

Sugestão de produtos

Para cuidar do cabelo crespo, use sempre produtos indicados para esse tipo de fio, como a dupla de Shampoo TRESemmé Selagem Capilar Crespo Original e Condicionador TRESemmé Selagem Capilar Crespo Original. Após a lavagem, finalize os fios com o Creme Para Pentear Seda Boom Transição. Sua fórmula com óleo de Argan e biotina hidrata os cabelos, deixando-os mais saudáveis, fortes e cheios de vida, da raiz às pontas.