Cabelos naturais: saber dizer não também é se respeitar

Gabi Vasconcellos | 16 abril 2018

Poder escolher como você quer ter os seus fios é essencial!

Já se deparou com aquela frase: “em terra de chapinha, quem tem cachos é rainha”? Ela te causa algum incômodo? Em mim, bastante! Primeiro pelo claro incentivo à competição feminina. Segundo porque me passa a impressão de que as cacheadas querem depreciar quem opta pelo uso da chapinha. Parece que para nos sentir bem com a nossa decisão de ter cachos, precisamos diminuir quem decide não ter cabelos naturais.

É a vez da valorização dos cabelos naturais

Pela primeira vez em décadas estamos no momento de exaltação dos cabelos naturais, especialmente cacheados e crespos. Basta olhar nas ruas, nas revistas, nos blogs, no Youtube, no Instagram. Veja o nosso time de All Things Hair! Das sete meninas, quatro são cacheadas e crespas! Uau! É isso que eu chamo de representatividade.

Foto: www.indigitalimages.com

Pelo direito e poder de escolha do cabelo

Mas isso, definitivamente, não significa que todas as mulheres são obrigadas a aceitar seu cabelo natural.  Essa é a grande diferença entre o incentivo (ao cabelo natural) e a imposição (de padrões estéticos). Quer dizer, ninguém quer sair de um padrão estético para entrar em outro. Em tempos em que muito se fala sobre autoaceitação e empoderamento, é preciso tomar cuidado para não acabar por minar a autoestima de quem quer continuar alisando os fios.

Entretanto, cuidado ao falar sobre a “ditadura dos cachos”. Afinal, a exaltação aos cabelos naturais é totalmente diferente da ditadura do alisamento. Essa sim, real, palpável. Não à toa meninas de quatro, cinco anos de idade já passavam por procedimentos químicos. Não à toa existia um discurso profissional de ‘’domar’’ os cachos, ‘’amansar’’, ‘’relaxar’’.

A reflexão é: devo voltar ao cabelo natural? Vou me sentir melhor com meu cabelo natural? Vou estar feliz com meu cabelo natural? A resposta vai estar bem aí, dentro de você. Fique feliz com ela. No fim das contas, é rainha (de si) quem toma decisões conscientes e fortalece sua autoestima e seu empoderamento independentemente de padrões estéticos, sejam eles quais forem!