Vaneza Oliveira: “Reconheci a beleza dos meus traços e cachos”

Entrevista exclusiva com a atriz da série 3%!

Foi por uma rede social que Vaneza Oliveira, 28 anos, recebeu o convite que mudaria sua vida e carreira. O fato inusitado rendeu à atriz baiana o papel de Joana, uma das protagonistas da série 3%, primeira produção brasileira da Netflix que já tem uma segunda temporada confirmada. Dona de um belo black power, Vaneza é cheia de estilo e se tornou uma referência para mulheres no mundo todo. Em um bate-papo exclusivo com All Things Hair, ela fala sobre estilo, profissão e, claro, sobre os belos cachos. Confira!

ATH entrevista Vaneza Oliveira

Modelo de Vaneza Oliveira
Foto: Reprodução/Instagram @vaneza.o

All Things Hair: Como surgiu a oportunidade de entrar para o elenco da série 3%? O que mudou na sua vida depois disso?

Vaneza Oliveira: O produtor de elenco Diogo Ferreira Silva entrou em contato pelo meu perfil do Facebook. A rotina corrida de estudos e projetos não mudou muito. Mas agora meus dias são recheados com reconhecimento do meu trabalho nas ruas e também recebo mensagens de vários países nas minhas redes sociais. Isso é muito maravilhoso!

ATH: Sua personagem na série é uma mulher de fibra e dona de uma personalidade forte. O que a Vaneza tem em comum com ela?

Vaneza Oliveira:  Ser mulher negra na nossa sociedade exige muita resistência e coragem. Assim como a Joana, tive que me manter muito firme para fazer o que amo e lutar pelo que acredito.

ATH: Como você se sente sabendo que é referência para tantas outras mulheres?

Vaneza Oliveira: Na minha adolescência não tinham muitas referências de mulheres negras e estamos vivendo um momento muito bonito de empoderamento feminino negro. As representatividades estão aumentando e se expandindo. A mulher negra reconhece sua beleza e também encontra referencias intelectuais, com Djamila Ribeiro e Sueli Carneiro. Só tenho que me sentir honrada e feliz de fazer parte desse momento.

Modelo de Vaneza Oliveira
Foto: Reprodução/Instagram @vaneza.o

ATH: Como anda a representatividade da mulher negra no meio artístico brasileiro?

Vaneza Oliveira: Temos algumas pequenas vitórias, reconheço, mas ainda temos muito o que avançar. Precisamos avançar nas áreas de produção artística. Essa etapa é importante para que a história seja contada do nosso ponto de vista.

ATH:  Você sempre teve uma boa relação com seu cabelo?

Vaneza Oliveira: Quando era mais nova alisava o cabelo, porém há alguns anos reconheci a beleza dos meus traços e cachos e resolvi assumir meu black. Desde então a relação é de amor com alguns momentos de tédio: sempre quero mudar meu cabelo.

Modelo de Vaneza Oliveira
Foto: Reprodução/Instagram @vaneza.o

ATH: Você exibe sempre um black power poderoso. Como é sua rotina de cuidados capilares?

Vaneza Oliveira: Minha vida é muito corrida. Então, em um dia da semana, acabo tentando sempre  hidratar ou fazer umectação para ele não perder o brilho. Em dias de eventos ou quando estou inspirada, faço fitagem para desenhar mais os cachos. Também amo deixar ele bem black power garfado. A ideia é sempre variar.

Modelo de Vaneza Oliveira
“As tranças são uma opção divertida para mudar o visual” | Foto: Reprodução/Instagram @vaneza.o

ATH: Quem te acompanha nas redes sociais, sabe que você adora mudar o visual e é uma grande adepta das tranças. De onde tira inspiração e quais são os looks preferidos?

Vaneza Oliveira: Amo mudar de cabelo, mas por conta da minha profissão – e até mesmo pela continuidade da personagem Joana – não posso mudar radicalmente. Assim, as tranças são uma opção divertida para mudar o visual. A galera no Instagram e o salão Divas Hair, onde faço minhas tranças, sempre trazem alguma referência ou eu mesma tenho alguma ideia.

Modelo de Vaneza Oliveira
“Com toda certeza volto a ser careca” | Foto: Reprodução/Instagram @vaneza.o

ATH: Como foi para você a experiência de ter o cabelo raspado? Você rasparia os fios novamente?

Vaneza Oliveira: Raspei em uma apresentação de trabalho na faculdade, em um momento de grandes mudanças na minha vida. Na época não tinha muitas meninas de cabelo raspado e as pessoas achavam que estava doente ou que não era brasileira. Amava o look, só era chato no frio, mas com toda certeza volto a ser careca, nem que seja para alguma personagem.