11 principais causas da queda de cabelo feminino e tratamentos, segundo especialistas

Dermatologistas explicam quais são as principais causas da queda de cabelo em mulheres, como identificar e tratar o problema.
Vídeo em destaque
queda-de-cabelo-feminino-abre-782x439.jpg

É normal que o nosso cabelo caia diariamente, mas quando essa perda foge do seu padrão e se torna excessiva, é preciso investigar qual é a causa da queda de cabelo feminino. O problema pode acontecer por alterações hormonais, doenças, falta de vitaminas e até de higiene.

Mas existem tratamentos, desde cosméticos até remédios, que ajudam a resolver a queda capilar. Por isso é importante consultar um especialista para saber o procedimento adequado para o seu caso.

Para te ajudar, consultamos médicos e listamos as principais causas da queda de cabelo em mulheres e os possíveis tratamentos.

Para a Dra. Denise Steiner, entender as verdadeiras causas da queda é essencial para a prevenção e escolha do melhor tratamento. “O cabelo não deixa de ser um espelho que reflete a nossa saúde: se o organismo não está bem, é provável que os fios sofram o efeito disso”.

Veja quais podem ser os motivos e como identificar os sinais, abaixo

1. Deficiência de vitaminas e minerais no organismo

Falta de vitaminas e minerais no organismo, como vitamina D, vitamina B, ferro e zinco, pode estar associada a doenças, como a anemia, e ter como consequência queda de cabelo.

Regimes restritivos, com perda de peso considerável em um curto espaço de tempo, também podem levar esse quadro.

“É muito comum que pessoas submetidas a cirurgias para emagrecimento percebam uma queda de cabelo cerca de três meses depois do procedimento. Além do emagrecimento drástico, uma alimentação com pouca proteína (peixe, carne, soja, etc) pode levar à queda de cabelo. É por isso que crianças desnutridas costumam ter pouco cabelo, com fios finos e claros”, explica Dra. Denise.

E atenção: O excesso de alimentos de alto índice glicêmico, como leite e seus derivados e também a vitamina A, podem levar à inflamação do organismo e ao aumento de oxidação, facilitando a queda de cabelo.

2. Alterações hormonais

Alterações hormonais que acontecem no corpo da mulher, como pós-parto e até a menopausa, podem causar a queda de cabelo.

Durante a gravidez, é comum que o cabelo fique bonito, cheio e brilhante. Isso acontece porque há um aumento dos hormônios que ajudam muito na qualidade e estímulo do crescimento do cabelo. Já no pós-parto, porém, o quadro muda.

Com a redução desses hormônios, juntamente com o estresse e cansaço característicos desse momento, é normal que haja uma queda dos cabelos cerca de três a quatro meses após o nascimento do bebê.

No caso da menopausa, acontece uma diminuição da produção do hormônio estrogênio, o que faz com que os cabelos comecem a cair.

Aqui também entram casos relacionados à tireoide, como hipotireoidismo ou hipertireoidismo.

3. Caspa

Há alguns processos inflamatórios localizados no couro cabeludo, como caspa, avermelhamento, descamação ou dermatite seborreica que também podem apresentar queda nos fios.

“Um quadro ainda não totalmente caracterizado é a tricodinia, que significa dolorimento no couro cabeludo. Trata-se de uma doença crônica, em que a queixa de dor no couro cabeludo costuma estar associada à queda de cabelo”.

Para prevenir a caspa e manter o couro cabeludo saudável, a gente sugere a dupla Shampoo Anticaspa Clear Hidratação Intensa e Condicionador Anticaspa Clear Hidratação Intensa. Se quiser dar um boost na hidratação, invista também no Super Condicionador Seda Hidratação Máxima.

Outra boa dupla na hora de lavar o cabelo é o shampoo e condicionador Dove Controle de Queda. E não se esqueça: a água quente pode ser um grande vilão para a queda de cabelo. Lave os fios com água, no máximo, morna.

4. Ansiedade e estresse

Problemas emocionais afetam a nossa saúde física e a ansiedade e o estresse também podem causar queda de cabelo. Essa queda normalmente vem como eflúvio telógeno, em que os fios caem de forma uniforme e temporária.

5. Covid-19

Muitas pessoas que tiveram Covid-19 relataram queda de cabelo algum tempo depois de já estarem curadas. Isso acontece porque enquanto estamos contaminados, o nosso organismo prioriza enviar nutrientes para os nossos órgãos essenciais e para de mandar para o cabelo, o que faz com que os fios caiam.

Essa queda é temporária e depois de alguns meses, os cabelos voltam para o seu ciclo de crescimento natural.

6. Câncer e outras doenças

Algumas doenças graves como câncer, AIDS ou imunológicas como lúpus e doenças virais como dengue ou zika e até diabetes podem apresentar a queda de cabelo como sintoma.

O quadro, no entanto, é temporário: “Em cada caso, seja pela ação da doença ou pelas medicações utilizadas em cada tratamento específico, após a normalização do quadro ou no final do tratamento o cabelo deve voltar a crescer normalmente”.

7. Tratamentos capilares errados ou falta de higiene com o cabelo

Processos químicos como tinturas, alisamentos, relaxamentos, escovas progressivas e outros também podem causar danos nos cabelos e no couro cabeludo se feitos da forma errada e, por consequência, ocasionar queda e quebra de cabelo.

Uma dica para minimizar esses danos é usar a Máscara de Tratamento TRESemmé Reconstrução e Força, pelo menos um vez por semana.

Para finalizar, aposte em um produto que ajuda a manter os fios alinhados e hidratados. Nossa sugestão é o Creme de Pentear TRESemmé Antiquebra, que pode ser usado nos fios úmidos ou secos.

Além das químicas, não ter uma boa higiene com o cabelo e o couro cabeludo também pode colaborar com o aparecimento de alergias e, consequentemente, a queda de cabelo.

Por isso, não fique mais de 3 dias sem lavar o cabelo e higienize da maneira certa, massageando o shampoo no couro cabeludo e enxaguando bem, para tirar todos os resíduos.

Também é importante aplicar o condicionador apenas no comprimento e pontas, removendo completamente o produto dos fios no enxágue.

8. Prender o cabelo muito forte

Quem tem o costume de prender o cabelo com frequência e puxar demais os fios na hora de amarrá-los, pode acabar causando uma queda de cabelo por tração.

9. Medicamentos

A queda de cabelo feminino também pode estar relacionada ao uso de medicações contínuas, o que pode ocorrer cerca de três a quatro meses depois do início.

De acordo com Dr. Marcelo Bellini, entre esses medicamentos estão alguns para tratamento da convulsão, determinados antidepressivos, anticoagulantes e ansiolíticos, além dos medicamentos quimioterápicos para tratamento do câncer.

“Nesses casos, é indispensável conversar com o médico para saber se o medicamento ingerido tem a queda dos fios como um dos possíveis efeitos colaterais”, indica a médica.

Outras medicações que também têm sido associadas à queda de cabelo são as utilizadas para tratamento de micoses na pele, alterações psíquicas, gastrite e drogas para redução acentuada de peso.

E mais: “a pausa no uso do anticoncepcional também pode influenciar no ciclo do cabelo. Durante essa mudança brusca nos níveis hormonais é frequente ocorrer o efeito rebote e queda de cabelo após a parada da pílula, tal como acontece no pós-parto”.

10. Agressões externas como aparelhos de calor e o sol

Apesar de ser comum a associação entre sol e danos na pele, também é importante saber que, em excesso, o sol também pode agredir os fios devido à radiação ultravioleta, provocando queimaduras, oxidação e inflamações que afetam o ciclo capilar.

“Assim, é comum que ocorra a queda cerca de dois ou três meses após uma exposição solar muito intensa. O calor excessivo e crônico no couro cabeludo e nos fios tende a danificar a cutícula, ressecar as hastes e promover mais chances de quebra, especialmente em cabelos quimicamente tratados, afros ou no período pós-menopausa”.

O uso de secador ou chapinha em altas temperaturas é uma causa comum da fragilidade dos fios e, se forem usados muito próximos da raiz dos cabelos, podem causar queimaduras. Não é aconselhável, portanto, o uso muito frequente desses aparelhos.

11. Cigarro

Um dos grandes vilões da saúde de qualquer pessoa, o cigarro também pode fazer o seu cabelo cair.

Se você é fumante e tem sentido uma queda de cabelo em excesso, saiba que não é por acaso. O que acontece é que, ao longo dos anos, o cigarro causa uma degeneração dos vasinhos que abastecem o couro cabeludo.

Qual o tratamento para queda de cabelo feminino?

Os tratamentos podem variar entre o uso de remédios, suplementos, cosméticos como shampoos e tônicos ou até tratamentos feitos no próprio consultório médico para estimular o crescimento dos fios.

Se a sua queda de cabelo for relacionada à alimentação ou problemas simples no couro cabeludo, investir em uma dieta mais saudável e apostar em produtos que cuidem do couro cabeludo vão te ajudar a evitar a queda. Mudanças simples na sua rotina podem colaborar para que o problema seja controlado

Mas a primeira coisa que deve ser feita é consultar um dermatologista. Só um especialista vai ser capaz de investigar as causas da queda de cabelo e indicar o melhor procedimento a ser feito.

Quando começar a se preocupar com a queda de cabelo?

É normal que a gente perca uma quantidade de fios diariamente, uma média de 50 a 100, mas se o seu cabelo estiver caindo muito, saindo do seu padrão de queda, é sinal de que algo pode ser errado e é hora de consultar um dermatologista.

Como saber se a queda de cabelo é por falta de vitamina?

Para saber se a queda de cabelo é por falta de vitaminas, além de analisar se você tem uma dieta rica em nutrientes, é preciso consultar um médico, que vai solicitar exames e dar o diagnóstico do seu problema.

Especialistas consultados:

  • Dra Denise Steiner, Dermatologista, Coordenadora Científica da Sociedade Brasileira de Dermatologia e Membro da Academia Americana de Dermatologia.
  • Dr. Marcelo Bellini, Dermatologista, membro Academia Americana de Dermatologia e da Sociedade Brasileira de Dermatologia

 

Artigo anterior
Artigo seguinte
Decoration image
Decoration image