Crioterapia ajuda pessoas com câncer no combate à queda de cabelo

Ana | 30 abril 2017

Chamada também de scalp cooling, conheça a nova tecnologia que ajuda pacientes a preservarem os fios durante o tratamento.

Você já ouviu falar na crioterapia? Também conhecida pelo nome de scalp cooling, trata-se de uma nova tecnologia ainda pouco mencionada no Brasil que tem como principal função ajudar pacientes com câncer na preservação do cabelo durante o tratamento, já que um dos principais efeitos colaterais da quimioterapia é a perda dos fios. Um recente estudo divulgado em jornal médico norte-americano destacou que cerca de 50% das mulheres com câncer de mama conseguiram ter uma preservação do cabelo a ponto de não ser necessário o uso de uma prótese capilar. Daniel Gimenes, oncologista do Centro Paulista de Oncologia (CPO), é quem explica como funciona o procedimento. Confira:

Como funciona a crioterapia?

A máquina, cuja aparência é de um circulador de ar comum, é ligada a um tubo que, por sua vez, se conecta uma touca para resfriar o couro cabeludo do paciente. A touca é preenchida por um gel circulante à temperatura de – 4º C, levando à redução do fluxo sanguíneo no couro cabeludo, o que cria uma espécie de capa protetora responsável pela preservação dos folículos capilares. A sua utilização deve ocorrer 30 minutos antes do início da infusão de quimioterapia, sendo usada durante toda a aplicação e por mais 30 minutos após o término da medicação.

Quem pode fazer o procedimento?

A crioterapia pode ser indicada para pacientes com diversos diagnósticos, com exceções aos cânceres hematológicos, como linfomas e leucemia. Aqueles que têm algum tipo de alergia no couro cabeludo também não podem receber o tratamento. Pesquisas apontam que o procedimento é seguro e tem gerado bons resultados com reflexos positivos aos pacientes que vêm utilizando. O estudo destaca mulheres diagnosticadas com câncer de mama. Vale reforçar que a indicação da técnica deve ser feita pelo oncologista responsável pelo tratamento.

Quais os principais benefícios da crioterapia?

Além do paciente conseguir preservar o cabelo a ponto de não ser necessário o uso de uma prótese capilar, contribui amplamente para a autoestima durante o tratamento.

Quais os cuidados que devem ser tomados antes e depois da crioterapia?

Antes de aderir à técnica de crioterapia, o paciente realiza uma avaliação da pele e dos cabelos com um dermatologista especializada em reações ao tratamento do câncer. Assim, é possível saber se existe algum fator no couro que possa interferir no resultado do tratamento. Durante a crioterapia, é recomendado o uso de shampoos neutros a não-utilização de tinturas para cabelos ou de processos que gerem calor ou tração nos fios, como escovar o cabelo, usar secador ou usar prancha.

Além da não-utilização de tinturas, há alguma restrição quanto aos produtos de cabelo?

Há restrições. A recomendação inicial é não pintar o cabelo. Contudo, dependendo da paciente e da sua receptividade ao tratamento, podemos liberar tinturas sem amônia e ir avaliando caso a caso.

Sugestão de produtos:

A queda de cabelo é um problema sério, até mesmo quando não está relacionada a tratamentos agressivos como a quimioterapia. Não deixe de procurar seu dermatologista ao sinal de qualquer problema! Se não for nada grave, você pode amenizar a queda por quebra com shampoo e condicionador com ativos fortificantes, por exemplo, Shampoo Clear Queda Defense e Condicionador CLEAR Queda Defense. Complete a etapa de cuidados com uma ampola, como a Ampola De Tratamento Dove Recuperação Extrema, que deve ser usada semanalmente.

Continuar lendo