Alopécia feminina: saiba as causas e como tratar

Queda dos fios e falha no cabelo podem ser sintomas da alopecia feminina, também conhecida como alopecia androgenética. Entenda como identificar os sinais e quais são os possíveis tratamentos para calvície em mulheres.

Queda de cabelo assusta, é verdade. Mas antes de se desesperar, saiba que o problema tem solução – só é preciso identificar a causa e agir rápido. A alopecia feminina, também conhecida como alopecia androgenética, pode ter o gatilho acionado diversos fatores, como estresse, dietas desequilibradas, uso excessivo de químicas nos fios e até por causa de penteados muito apertados. A gente te conta tudo sobre o assunto.

Percebeu que os fios estão mais ralos, finos e até perderam cor? Sinal de que você pode ter alopecia androgenética. Queda de cabelo além do seu padrão normal também pode ser um alerta.

Quais são as principais causas da alopecia feminina?

As causas da alopecia são variadas. “Alopecia androgenética é uma doença genética, mas alguns fatores podem piorar o problema como, por exemplo, a menopausa e o uso de suplementação de hormônios masculinos”, explica Dr. Daniel Cassiano, dermatologista membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Entretanto, estresse, remédios ou mesmo prender o cabelo apertado demais constantemente podem ser alguns dos gatilhos para se descobrir a alopecia feminina.

Listamos aqui os principais fatores que levam à queda de cabelo feminino, mas lembre-se: só um especialista pode realmente dizer qual é o seu problema e o tratamento mais adequado ao seu caso.

Alterações hormonais

As alterações hormonais são a maior causa de alopecia feminina e podem ter diversos motivos. Ela é, por exemplo, um dos sintomas do hipotireoidismo e hipertireoidismo, tipos de disfunções da tireoide.

Outro problema hormonal é o excesso de testosterona, que pode causar calvície feminina. Nesse tipo de queda, denominado queda hereditária, acontece o afinamento progressivo dos fios, que aos poucos se desprendem do couro cabeludo. Pior: há um atrofiamento dos bulbos capilares e os fios não nascem mais.

Uma característica desse tipo de queda também é que, nas mulheres, a ausência de fios está localizada principalmente no topo da cabeça.

Excesso de química

Apesar de a alopécia androgenética estar relacionada à genética da pessoas, o excesso de química com o uso exagerado de tintura e outros procedimentos, como alisamentos e permanentes, deixa os fios fragilizados.

Por isso, além de tomar cuidado com a frequência que você faz esses tratamentos, não deixe de hidratar os cabelos profundamente toda semana para evitar que os fios se quebrem ou caiam.

Também é importante respeitar o tipo de química que já existe no seu cabelo antes de se aventurar em um novo procedimento.

Estresse emocional

Momentos de estresse contínuo aumentam no organismo as taxas de cortisol, hormônio produzido pelas glândulas suprarrenais, que prejudicam a fixação dos fios no couro cabeludo. Resultado: fios mais propensos a cair. Melhor relaxar!

Má alimentação

Nada de fazer dietas restritivas demais! A má alimentação, pobre em proteína, ferro e zinco influencia no desenvolvimento dos fios (ou melhor, na falta dele) e pode causar a alopecia feminina.

Gravidez

A queda de cabelo na gravidez costuma ser perceptível após o terceiro mês, quando a gestante pode perceber que até 200 fios caem por dia. Nesse caso, a queda de cabelo é comum e não há o que fazer, pois, em geral, o ciclo de crescimento do fio volta ao normal após o término da gestação. É só esperar.

Remédios

Começou a tomar um remédio novo e percebeu que a quantidade de fios no travesseiro aumentou? Então saiba que muitos medicamentos podem provocar a queda do cabelo.

É o caso de antidepressivos, remédios para emagrecimento e tratamentos para a acne. Se estiver tomando algum desses, melhor avisar o seu médico.

Cabelo preso muito apertado

Já ouviu falar em alopecia por tração? O termo nada mais é do que a queda dos fios causada por tração, uma força que, literalmente, puxa os fios.

As causas podem estar relacionadas a penteados como rabo de cavalo muito presos, tranças rente ao couro cabeludo e até o costume de puxar os fios forte demais na hora de fazer a escova. Ou seja: pegue na leve na força e evite maltratar os seus fios.

Como diagnosticar a alopecia feminina?

Para diagnosticar a alopecia feminina androgenénica você precisa consultar um médico, mas vale prestar atenção a alguns sinais em casa. O maior dele é se os seus cabelos estão caindo muito mais do que o padrão normal deles de queda.

Além da queda anormal, fique atenta se houver o surgimento de algum tipo de falha de cabelo no couro cabeludo. Mas não espere muito tempo, consulte um dermatologista assim que o primeiro sinal de alerta acender.

No consultório, conte detalhes de como começou o problema e qualquer histórico familiar de calvície. “O diagnóstico é clínico, ou seja, a história e o exame dermatológico com tricoscopia são suficientes para fechar o diagnóstico. A queixa mais frequente na alopecia androgenética é a de afinamento dos fios. Os cabelos ficam ralos e, progressivamente, o couro cabeludo mais aberto”, indica o profissional

O médico pode ainda pedir exames complementares, como o de sangue para checar a parte hormonal. Também poderá ser feita a análise do metabolismo de acordo com as reservas de ferro, zinco, cobre e vitaminas. “Em casos onde há dúvida, o médico dermatologista pode solicitar biópsia do couro cabeludo ou outro exame denominado tricograma que ajudam a confirmar o diagnóstico clínico”, finaliza.

Quais são os tratamentos para calvície feminina?

Os tratamentos para calvície feminina vão variar de acordo com cada caso. Segundo Dr. Daniel, podem ser feitos tratamentos baseados em estimulantes do crescimento com minoxidil e em bloqueadores hormonais, com finasterida ou dutasterida.

Entretanto esses tratamentos não recuperam os cabelos perdidos e não ajudam muito a fazer o cabelo voltar a crescer normalmente.

“O objetivo do tratamento clínico é estacionar o processo, mas não recupera muito os fios já perdidos. Para uma melhora mais substancial do volume dos fios, há hoje em dia tratamentos complementares como a MMP capilar, que da mesma forma que estimula os folículos microagulhando o couro cabeludo, consegue entregar as medicações na profundidade da pele. Nos casos mais extensos, um transplante capilar pode melhorar o aspecto estético”, conta.

Antes e depois da alopecia feminina

O cabelo pode não voltar a ser como era antes, mas fazendo os tratamentos certos e com um profissional de confiança é possível amenizar a calvície feminina. Veja fotos de antes e depois.

mulher mostrando antes e depois de tratamento para calvície feminina
Foto: reprodução | Instagram @fernanda.fc.marin
antes e depois de mulher com alopecia feminina
Foto: reprodução | Instagram @lidiasalaokarla

O que fazer para evitar a queda de cabelo?

No dia a dia, você pode evitar a queda de cabelo não lavando o cabelo com água quente, por exemplo, já que esse hábito pode estimular o aparecimento de seborreia entre outras irritações.

Outra dica é usar produtos que cuidem do couro cabeludo. O Shampoo Dove Controle da Queda vai te ajudar a deixar a região saudável e ainda fortalecer os fios. Use em conjunto com o Condicionador Dove Controle da Queda para um resultado ainda melhor.

Aliás, massagear a região do couro cabeludo também é importante para ativar a circulação da área e estimular o crescimento do cabelo. Isso pode ajudar na diminuição da queda.

Manter uma alimentação saudável e hidratar o cabelo regularmente também são hábitos muito benéficos para ajudar a dar uma forcinha no crescimento do cabelo. Experimente a Máscara de Tratamento Nexxus Keraphix, que ajuda a repor a queratina perdida pelos fios.

Como disfarçar as falhas no cabelo?

A alopecia feminina pode deixar falhas no cabelo. Para disfarçar o espaço sem os fios, você pode mudar a risca do cabelo e jogá-los para o lado em que esta a falha

Outra dica é apostar em cortes que ajudem a disfarçar as áreas com menos cabelo, concentrando o volume na parte de cima da cabeça.

Para quem quiser e puder gastar com isso, considere um procedimento de transplante capilar. Mas, claro, consulte o sue médico de confiança antes.

Mais sobre alopecia feminina

Saiba um pouco mais sobre a alopecia feminina e tire todas as suas dúvidas.

O que é alopecia feminina?

A alopecia feminina nada mais é do que a calvície feminina. Dr. Daniel, explica:

“Alopecia androgenética, ou calvície, é uma forma de queda de cabelos geneticamente determinada. É relativamente frequente na população. Homens e mulheres podem ser acometidos pelo problema, que apesar de se iniciar na adolescência, só é aparente após algum tempo, por volta dos 40 ou 50 anos. A doença se desenvolve desde a adolescência, quando o estímulo hormonal aparece e faz com que, em cada ciclo do cabelo, os fios venham progressivamente mais finos”.

Alopecia feminina tem cura?

Não. Existem tratamentos que podem ser feitos para desacelerar o processo de perda de fios, mas não para fazer com que os cabelos cresçam novamente com o mesmo volume de antes.

Segundo Dr. Daniel, para casos mais extremos, pode ser considerado um transplante capilar.

Como é feito o exame de tricoscopia?

O exame de tricoscopia no couro cabeludo pode ser feito no consultório do dermatologista e consiste em um aparelho que é colocado no couro cabeludo para aumentar a visão da área, que pode ser aumentada em até 70 vezes.

Pense que é como se fosse um ultrassom, mas na cabeça. Com a imagem ampliada, o profissional consegue ver o folículo piloso dos fios e analisar a saúde do couro cabeludo e do cabelo de um forma que não seria possível a olho nu.

Qual melhor vitamina para evitar queda de cabelo?

As melhores vitaminas para evitar a queda de cabelo são as do complexo B, como B1, B3 e B7. Você pode encontrá-las em alimentos como carnes vermelhas, leite, ovos, cereais integrais, nozes e verduras.

Artigo anterior
Artigo seguinte

Inspire-se

Inscreva-se na nossa newsletter e receba dicas exclusivas para cabelos incríveis