Queda de cabelo depois do parto: o que fazer?

All Things Hair | 14 agosto 2016

 

A queda de cabelo depois do parto é algo comum. Saiba as razões e cuidados para ter certeza de que seu caso é normal.

Durante a gestação, os cabelos ficam mais fartos, fortes e brilhosos. Isso ocorre graças às mudanças hormonais no corpo da mulher.  Depois do nascimento do bebê, no entanto, a volta dos hormôneos à sua taxa normal, causa novas transformações e uma consequência delas é a queda de cabelo. “A queda de cabelo depois do parto já esperada, e geralmente faz com que as mulheres busquem tratamentos nesta fase”, explica Dra. Bel Takemoto, dermatologista membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica.

Por que ocorre a queda de cabelo depois do parto?

“Eflúvio pós-parto” é o nome que essa queda capílar recebe. Saber que se trata de uma reação normal do corpo já serve de alívio. Porém, de qualquer forma é importante procurar um especialista. “O dermatologista vai avaliar se a queda é exclusivamente pelo eflúvio, o que é mais comum. Uma vez excluídas associações que possam piorar a queda, ele vai introduzir tratamentos que podem passar por shampoos e loções terapêuticas a cápsulas com nutracêuticos e procedimentos indicados caso a caso”, explica a médica Bel Takemoto.

Sugestão de produtos: Shampoo Clear Queda Defense, que ajuda a prevenir e a combater a queda capilar, Condicionador Seda Crescimento Saudável, um auxílio contra a quebra dos fios, e Dove Pure Care Dry Oil, com altas propriedades nutritivas. 

mulher e bebê deitados na cama
A queda capilar dura cerca de um mês.

Razão da queda de cabelo depois do parto

O motivo da queda se explica por causa do aumento de hormônios femininos como a prolactina,  responsável por estimular a produção de leite pelas glândulas mamárias,  e da progesterona, que equilibra o ciclo do ovário. Ao mesmo tempo, hormônios masculinos estão em queda e, junto com eles, há a diminuição da oleosidade e da queda de cabelo. Enquanto, em média, um adulto saudável perde 100 fios de cabelo por dia, as gestantes permanecem com a maior parte dos fios em constante estado de crescimento, daí o perceptível aumento do volume.

Neste ponto, vale relembrar o ciclo de vida dos fios: anágena é a fase de crescimento, telógena é a fase da queda e catágena é a de estabilização. Enquanto o bebê é formado e cresce dentro da barriga, essa últaima fase é estendida. Ou seja, os fios maduros continuam firmes e fortes, presos ao couro cabeludo.

Já depois de o bebê nascer, por volta do quarto mês de amamentação, ocorre o contrário. Os hormônios femininos e masculinos voltam à taxa anterior à gestação e os cabelos são, novamente, afetados. Dessa vez, as hastes capilares que estivam seguraas durante os meses de gravidez começam a cair. E em quantidade superior àqueles 100 fios que, em média, todo mundo perde diariamente.

Como notar a queda?

O travesseiro, a escova, o chão do chuveiro são locais onde os fios caídos podem ser notados facilmente. Já descolados do couro cabeludo, eles se desprendem do restante do cabelo, graças ao atrito com a mão ou com outras superfícies. Apesar de não ser uma visão agradável, vale a pena relembrar: o eflúvio é parte do ciclo, algo naturalmente programado e, assim como  teve um prazo para começar, tem prazo para terminar.

Entre o quinto e o sexto mês de amamentação, a queda chega ao fim e  o cabelo se estabiliza, voltando a perder a quantidade média de fios, que dão lugar a novas hastes capilares em crescimento, como ocorria durante a gravidez.  Durante e após a gravidez (sempre, na verdade!), é importante manter bons hábitos e dieta saudável para evitar a queda capilar. Além do mais, consultar seu médico, periodicamente.

Insira um @ no email informado
Você agora está inscrito na newsletter de All Things Hair.