Como ter cabelos saudáveis

Conheça a tricotilomania, a compulsão de arrancar os cabelos

Doença que leva alguém a arrancar os fios da própria cabeça é ligada a distúrbios psicológicos. Mas pode ser controlada.

 

Você sabe o que é tricotilomania? Doença caracterizada pela compulsão que leva alguém a arrancar os próprios fios de cabelo, ela causa danos não apenas ao couro cabeludo. Quem sofre pode ter machucados e falhas capilares. O aparecimento do problema está associado a desconfortos intestinais, já que parte dessas pessoas ingere os fios. E também à crises de autoestima. Trata-se de uma doença de difícil diagnóstico, mas há tratamentos. E o primeiro passo para a solução é reconhecer o problema.

Para entender essa peculiar doença, é importante ter o conceito de compulsão em mente. “Ato irresistível que impele uma pessoa a realizar algo ou a comportar-se de determinado modo, para se sentir aliviada de sua angústia ou culpa”, segundo o dicionário Michaelis.

A dificuldade do diagnóstico começa pelo fato de, sem saber o que é tricotilomania, o compulsivo sente vergonha do que faz. Verdade seja dita, a maior parte das pessoas acha muito estranho alguém arrancar o cabelo (e, às vezes, comê-lo!). Mas o estranhamento dos outros não deve ser motivo de vergonha. Se você tem esse tipo de compulsão, o ideal é procurar um especialista que vai ajudar a encontrar o tratamento adequado.

O contato com o dermatologista é importante, para ajudar a curar os pontos calvos e feridas que são resultado da tricotilomania. Mas só esse médico não pode ajudar a interromper a compulsão. O tratamento da tricotilomania é interdisciplinar e inclui, pelo menos, mais um especialista: o psicólogo. Podendo também ser útil recorrer ao psiquiatra. É que esse é o médico capaz de descobrir associações contumazes entre a compulsão e outros distúrbios, como o de ansiedade generalizada e a depressão. Em alguns casos, são receitados remédios. E fazer uso da automedicação nem deve ser cogitado.

Quando ocorre a tricotilomania

A compulsão de arrancar cabelos costuma surgir na adolescência. Em geral, ela se manifesta em algum momento de crise na vida da pessoa. Sentindo-se pressionada, essa pessoa arranca os fios e, logo depois de fazer isso, sente um tipo de alívio. É como se “descontasse” no próprio corpo para driblar o estresse. 

A tricotilomania pode ser recorrente e fazer parte da vida de alguém durante mais de um período. Porém, a compulsão costuma, sim, ser abrandada quando o período estressante passa. (Podendo retornar, em novos momentos de ansiedade extrema). Em cada crise, pode durar semanas ou meses, que é o  suficiente para apresentar pontos calvos. 

Quem sofre de tricotilomania sabe que está puxando e arrancando os próprios fios. Ela não está alienada da realidade. Apenas sente uma vontade muito forte (ou “irresistível”, como conceituou o dicionário)  de arrancar o cabelo. O  tratamento inclui métodos para “driblar essa vontade”. Os medicamentos prescritos pelo psiquiatra ajudam a controlar a ansiedade ou a depressão, que favorecem o desencadeamento da compulsão.

Mas não existe remédio contra uma compulsão. A mudança de comportamento pode ser conquistada com a ajuda de  terapia cognitiva. Se além de arrancar os fios o paciente costuma ingeri-los, o ideal é que procure um grastroenterologista. Ele poderá investigar a presença de bolos de cabelo (tricobezoar, uma espécie de novelo feito de fios). E cuidar para que isso não prejudique a saúde do paciente.

Sugestão de produtos 

Shampoo Seda Keraforce OriginalCondicionador Seda Keraforce Original, especialmente desenvolvidos para cabelos crespos sem química. Creme De Tratamento TRESemmé Selagem Capilar Crespo Original, que, além de hidratar, ajuda a selar os fios.

All Things Hair
All Things Hair
26 dezembro 2016

Próximos
Artigos