A ansiedade afeta o cabelo?

É fato que ela influencia muitos âmbitos da nossa vida. Mas será que a ansiedade afeta o cabelo também?

A ansiedade afeta muitos âmbitos da nossa vida. A saúde mental, física, espiritual e até a nossa relação com os outros. Mas será que a ansiedade afeta o cabelo também? Conversamos com duas dermatologistas, Patricia Ormiga e Carla Vidal, para solucionarmos o mistério.

Mito ou verdade: ansiedade afeta o cabelo?

Embora ainda não existam estudos que comprovem 100% a relação entre problema capilares e ansiedade, “a não ser aqueles que tenham uma causa física (por exemplo, pessoas que arrancam os fios dos cabelos como um toque)”, a ansiedade é um dos sintomas mais típicos do estresse. E “sabe-se que o estresse atua na queda de cabelo e um dos sintomas do estresse é a ansiedade”, afirma Carla Vidal. Patricia Ormiga conclui, portanto, que, sim, “diversas patologias do couro cabeludo podem ser desencadeadas ou agravadas pelo estresse e pela ansiedade”.

Como a ansiedade afeta o cabelo?

A ansiedade afeta o cabelo, normalmente, intensificando a queda, a oleosidade ou o ressecamento dos fios. Alguns dos problemas menos comuns que podem ser desencadeados pela ansiedade são, além das reações alérgicas, as “patologias como a Alopecia Areata (quando falhas aparecem no couro cabeludo), a Dermatite seborreica (mais conhecida como caspa) e o Eflúvio Telógeno (queda de cabelo após situações específicas, entre elas, o estresse)”.

Isso acontece porque o estresse e a ansiedade afetam diretamente a circulação do sangue, o que influencia na queda de cabelo. Carla explica melhor essa influência: “a produção do sebo aumenta, o que colabora com a aumento do DHT, hormônio que atua diretamente na queda do cabelo. Também se fala do efeito de repouso que o estresse provoca nos folículos capilares, impedindo o seu crescimento.”

Que outros problemas a ansiedade pode trazer?

É fato que a ansiedade não prejudica só os cabelos, mas você sabe quais outros danos ela pode provocar? Só de começo, Ormiga cita: “crises de pele seca, coceira, dor de cabeça e até espinhas”. Além disso, também pode causar “dificuldade em dormir ou problemas para acordar mesmo que se tenha dormido uma quantidade adequada de horas, dores de cabeça, crises de enxaqueca, surgimento de transtornos obsessivos, entre tantas outras reações que variam de pessoa para pessoa”, completa Carla Vidal.

Cuidados necessários

As duas foram unânimes quanto aos cuidados necessários para evitar tais danos: procurar ajuda de um profissional deve ser o primeiro passo. Um dermatologista pode compreender os sintomas e ajudá-la a solucioná-los. Mas não somente. Ter uma alimentação saudável também é essencial, assim como se exercitar e descobrir qual a origem da ansiedade. Um nutricionista pode ajudar nesse processo de conquistar um estilo de vida mais saudável. Um psicólogo, na busca pela tranquilidade e na luta contra a ansiedade e o estresse. “Não adianta se automedicar”, enfatiza a dermatologista Carla.

Sugestão de produtos

Não só a ansiedade afeta o cabelo, mas também escolher os produtos errados. Oleosidade excessiva, por exemplo, pode ser evitada lavando os cabelos corretamente e com bons produtos. Sugerimos a dupla Shampoo Dove Hidratação IntensaCondicionador Dove Hidratação Intensa. Outra boa ideia é hidratar os fios semanalmente com a Máscara De Tratamento Nexxus Emergencée.