Conheça as doenças do couro cabeludo mais comuns e saiba como tratá-las

Consultamos 2 dermatologistas para te ajudar a entender as causas, os sintomas e os melhores tratamentos para as doenças que atingem o couro cabeludo.

As doenças do couro cabeludo são mais comuns do que imaginamos, mas às vezes pode ser difícil identificar as causas e os sintomas de cada problema.

Para te ajudar a entender os sinais das principais doenças que atingem o couro cabeludo, Tudo Pra Cabelo conversou com as médicas dermatologistas Paola Pomerantzeff e Kédima Nassiff. Continue lendo para saber o que fazer e como tratar as doenças capilares mais frequentes!

Desde a famosa caspa até irritações que podem causar a queda de cabelo, as doenças do couro cabeludo devem ser tratadas com um dermatologista, que vai receitar o melhor procedimento para o seu caso.

Por isso, nada melhor do que seguir as dicas e conselhos que as duas especialistas em dermatologia e tricologia compartilharam com a gente sobre as doenças que atingem o couro cabeludo. Conheça as mais recorrentes!

Dermatite seborreica

Provavelmente, essa é a doença do couro cabeludo mais conhecida e comum. A famosa – e incômoda – caspa é motivo de constrangimento para muitas pessoas. Mas de nada ela tem a ver com higiene, viu?

A dermatologista Paola Pomerantzeff explica que essa doença está relacionada à fatores como a alteração na produção de sebo pelas glândulas sebáceas e resposta inflamatória local desregulada.

“A dermatite seborreica tem predisposição genética e piora muito com ansiedade e estresse. Por esse motivo, o paciente pode apresentar crises piores durante períodos mais conturbados”. Além de descamar, o couro cabeludo ainda pode ficar avermelhado e coçar.

O tratamento para a dermatite geralmente é feito com o uso de shampoos específicos indicados pelo médico três a quatro vezes por semana. A médica recomenda que, após a crise, o shampoo passe a ser utilizado uma vez por semana para prevenção e manutenção.

Mulher com doença no couro cabeludo dermatite seborreica ou caspa
Foto: Shutterstock

Psoríase

Essa é uma doença crônica, não contagiosa, que não tem a causa totalmente esclarecida. Dra. Paola explica que a psoríase está relacionada com a genética, com sistema imunológico e com a resposta inflamatória do organismo. Seu principal sintoma é a presença de placas avermelhadas e descamativas.

Embora não haja cura ou prevenção da psoríase, existem formas de diminuir a manifestação da doença. “É fundamental investir em uma alimentação saudável, evitar tabagismo e bebidas alcoólicas, manter o peso equilibrado e evitar estresse excessivo.

Alguns medicamentos novos, os imunobiológicos, têm apresentado grande melhora na qualidade de vida desses pacientes”, diz a dermatologista.

Foliculite

A foliculite é a inflamação de um ou mais folículos no couro cabeludo. A área fica avermelhada, inflamada, e pode apresentar “bolinhas de pus”.

O tratamento, segundo Kédima, varia dependendo do estágio em que se encontra (mais ou menos avançada). “São prescritas loções tópicas de antibióticos, e ácido salicílico também pode ser utilizado. Antibióticos via orais são indicados em quadros mais extensos, mais avançados”.

Alopecia

Uma das doenças capilares mais temidas, a alopecia tem como principal consequência a queda de cabelo além do normal. É preciso reforçar isso porque realmente é normal os fios caírem diariamente e isso faz parte do ciclo natural. No entanto, para cada um que morre, um novo deve nascer.

Quando essa queda ocorre de forma desordenada ou patológica, e mais fios morrem e caem do que nascem, acontece a calvície ou perda de cabelos.

A dermatologista e tricologista Kédima Nassiff explica que, na temida calvície, os cabelos se tornam cada vez mais finos, principalmente na região da coroa e córtex, ou seja, onde colocaríamos um boné.

“Assim, o couro cabeludo se torna aparente e os cabelos ralos. Dependendo da intensidade do problema há falhas importantes. Já na alopecia areata há queda dos fios, formando placas sem cabelo” — reforça a especialista.

Mulher com doença no couro cabeludo alopecia
Caso de alopecia, antes e depois de ser tratada | Foto: Shutterstock

Segundo Paola, existem inúmeras causas de alopecias, sendo a mais comum a genética, que acomete mais homens que mulheres. “É importante examinar e diagnosticar, já que para cada causa existe um tratamento específico”.

Kédima exemplifica alguns dos vários procedimentos existentes: “A calvície requer associação entre medicamentos orais e loções. Talvez seja uma das doenças com mais novidades em técnicas de tratamento, incluindo o uso de lasers, aplicações injetáveis no couro cabeludo e até o uso de plasma rico em plaquetas, método usado nos EUA”.

Pediculose

Sabia que o hábito de tirar selfie com as amigas pode provocar uma doença no couro cabeludo muito conhecida das crianças? “A pediculose é causada pelo parasita conhecido como piolho. Hoje em dia, a contaminação ocorre muito mais devido às selfies duplas ou coletivas, já que as pessoas encostam as cabeças para fotografar”.

O tratamento da pediculose é feito com antiparasitário tópico e sistêmico.

Tinha

A micose do couro cabeludo é uma lesão localizada, com placas descamativas e perda dos cabelos nessa região afetada. É mais comum em crianças do que em adultos.

Por ser uma doença no couro cabeludo contagiosa, ela deve ser rapidamente tratada com antifúngicos.

Existe prevenção para doenças do couro cabeludo?

Como alguns desses problemas possuem um cunho genético, eles não podem ser totalmente evitados, mas sim controlados. “De qualquer forma, uma alimentação saudável e a manutenção de um couro cabeludo limpo são capazes de combater a descamação e evitar algumas causas da queda”, diz Kédima.

A exposição solar (moderada – helioterapia) ajuda a prevenir as crises dessas patologias e facilita a cura muitas vezes.

Aviso importante!

“Toda e qualquer alteração do couro cabeludo deve ser examinada por um dermatologista capacitado para realizar diagnóstico correto e tratamento adequado. Como vocês viram, o mesmo sintoma pode aparecer em diferentes doenças. Portanto, não faça seu autodiagnóstico”, alerta Paola.

Siga essa dica de especialista: consulte o seu médico de confiança antes de iniciar qualquer tratamento para doenças capilares, mesmo que você identifique alguns sintomas como coceira, vermelhidão, queda de cabelo ou descamação!

Sugestão de produtos

Mesmo que você não tenha nenhuma doença no couro cabeludo, prevenir nunca é demais. Insira produtos na sua rotina de lavagem que cuidem e atuem preventivamente no couro cabeludo.

Recomendamos as seguintes opções: o Shampoo Clear Anticaspa Detox Diário, o Shampoo Clear Antibac e o combo de shampoo e condicionador da linha Clear Anticaspa Hidratação Intensa.

 

Fontes consultadas:

  • Dra. Paola Pomerantzeff — médica dermatologista, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica (SBCD).
  • Dra. Kédima Nassif — médica dermatologista e tricologista, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica (SBCD) e da Associação Brasileira de Restauração Capilar.
Artigo anterior
Artigo seguinte