Truque da editora: como domei minha franja rebelde

Depois de ter o cabelo colorido três vezes numa semana, os fios ficaram indisciplinados, mas aprendi a lidar com eles  

Franja rebelde é um dos problemas capilares mais comuns. Mas passei toda a minha vida sem sofrer por essa parte do meu cabelo. Talvez ela não fosse séria candidata ao concurso de franjas mais bonitas do mundo, mas eu gostava dela. Média, jogada de lado e não muito volumosa. De toda forma, o mais importante é que ela não adicionava nenhum tipo de sofrimento à minha vida.

Tudo mudou em 29 de março de 2016 (sim, eu sei a data certinha). Prestes a me mudar de cidade e cheia de coisas para fazer, decidi retocar a raiz num salão mais perto de casa. Além disso, esse salão era bem mais barato, e  (confesso!) quis economizar. Pensei: “Ah, gastar muito só para retocar a raiz?”. Eu deveria ter pensado de novo.

No salão mais próximo e muito mais barato, a tinta não era a mesma a que estou acostumada. Aí começou o drama. A parte virgem do cabelo, que tinha quase três dedos de comprimento, ficou num ruivo bem mais aceso do que o resto do comprimento. Raiz cor de fogo não me parecia ser uma boa ideia. Depois disso, tentei resolver o problema pintando duas outras vezes. A cor foi corrigida, mas a franja ficou “espigada”. Um verdadeiro frizz em forma de franja.

Como tratei a franja rebelde

Cabelo colorido é cabelo danificado. Fato. Mesmo muito bem tratados, os fios nunca mais serão “normais”. Eles precisam de constante cuidado para serem saudáveis e bonitos. Eu sabia disso, quando optei pela “ruivice”. E estava  tudo indo bem até aquele momento da coloração errada. Com o cabelo mais danificado do que nunca, passei a tratá-lo de um jeito completamente novo também. Acostumada a passar máscara de hidratação profunda pelo menos uma vez por semana, eu poupava a franja, por achar que o produto a tornaria oleosa.

Aqui, cabe uma explicação: em geral, cabelos finos com o meu tendem a ser mais oleosos na raiz. Isso ocorre, porque o sebo produzido naturalmente na raiz do cabelo não consegue descer até a ponta dos fios. Pelo mesmo motivo, as pontinhas podem ficar ressecadas. Já reparou que cabelos finos, muitas vezes, têm pontas raquíticas? Eis a razão.

Quando comecei a colorir o cabelo, percebi que ele se tornou menos oleoso na raiz, mesmo assim, mantive o ritmo de hidratação semanal. A diferença, depois da franja rebelde, foi que comecei também a aplicar o produto nessa região do cabelo. Só tomo o cuidado de poupar a raiz, mas passo nas pontas da franja.

Percebi que a hidratação foi devolvendo o movimento natural da franja. Logo depois da primeira sessão, feita em casa mesmo, vi que as pontas não ficavam mais retas (se eu estivesse na sua frente, contando essa história, mostraria os meus dedos esticados, para mostrar como as pontas ficaram, logo depois de danificadas). O próximo passo foi combater o frizz. Fiz isso com a ajuda de óleo vegetal (mineral não vale, hein). Lavo o cabelo em dias alternados, quase sempre pela manhã. Na noite anterior à lavagem, passo óleo nas pontinhas do cabelo todo, incluindo a franja. Experimente: o resultado é ótimo.

Para completar, passei a usar mousse na franja rebelde, algo que não fazia parte da minha rotina. O produto é uma ajuda valiosa para estilizar o cabelo e deixar o caimento bem do jeito que quero. Agora que o pior já passou e não tenho mais uma franja rebelde, eu poderia abrir mão da mousse, mas  já fiquei viciada no efeito volumoso. Final feliz, com uma lição: nunca mais vou deixar de lado o colorista de confiança por causa por causa de uma economia.

Sugestão de produtos: óleos vegetais que ajudam a nutrir os fios, Dove Pure Care Dry Oil e  Óleo Nexxus Oil Infinite. Creme De Tratamento Seda Recarga Natural Força Antiquebra, que ajuda a hidratar os fios.