Cabelos com progressiva danificados? Descubra onde está o problema

Seu cabelo já está sofrendo com os efeitos da progressiva? Entenda melhor como a técnica age e os cuidados pós procedimento para manter a saúde do fio.

Que a escova progressiva é uma grande aliada da praticidade, isso não dá pra negar. Desde que apareceu no Brasil, no começo dos anos 2000, e virou sucesso no mundo, ela tornou possível que mulheres com qualquer tipo de cabelo pudessem manter fios lisos por muito mais tempo, transformou o secador em um item muitas vezes dispensável e deixou mais fácil resolver pequenos problemas do dia a dia, como controlar o frizz ou o volume dos fios. Mas garantir todos esses benefícios também exige uma parcela de esforço: para manter a aparência saudável dos cabelos com progressiva, é preciso estar atenta a certas precauções e cuidados.

O segredo do sucesso dessa técnica – conhecida lá fora como Brazilian blowout ou Brazilian hair straightening – está no uso de formol, um composto que envolve a fibra capilar, mantendo o fio liso. Santo formol? Mais ou menos, já que ele também tem efeitos negativos. “O cabelo com excesso de formol fica plastificado, chapado e com pouco movimento”, afirma o cabeleireiro Eron Araújo, do salão Eron Araújo Creative Salon, em São Paulo.

Cabelos com progressiva, e sem danos!

Segundo o especialista, o uso incorreto da substância faz com que o cabelo fique encapsulado pela química e deixa a oleosidade natural dos fios – agora mais lisos – concentradas na raiz. O resultado é um couro cabeludo extremamente oleoso e pontas secas, já que a hidratação não chega até as extremidades do fio. Além disso, cabelos com progressiva também correm o risco de quebrar ou de ficar rígidos, pois sua química afeta a cutícula (parte externa do fio), que fica mais porosa e, portanto, fraca.

Na teoria, isso teria sido resolvido quando a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou que o formol só pode ser usado em progressivas com concentração máxima de 0,2% – para evitar inclusive um possível efeito cancerígeno que a exposição excessiva à substância pode ter. Mas o uso repetido ou com frequência exagerada do produto, em busca de resultados mais eficientes, faz com que muitas vezes os efeitos negativos do formol para a aparência dos cabelos apareçam.

Tudo tem solução…

É claro que existe, sim, maneiras de evitar esses resultados indesejados. O primeiro passo para deixar as madeixas quimicamente tratadas mais saudáveis é realizar o procedimento com um cabeleireiro de sua confiança, para ter certeza de que os produtos utilizados são seguros. “Além disso, o teste da mecha é fundamental para eliminar quaisquer possibilidades de alergia”, acrescenta Eron.

A questão da falta de hidratação (em especial nas pontas) e de movimento nos fios pode ser solucionada com tratamentos reconstrutores, como a cauterização capilar, além da utilização de produtos específicos para cabelos com progressiva. Dessa maneira, a queratina (proteína responsável pela força do cabelo) perdida no processo pode ser devolvida às madeixas.

Dar atenção ao corte é outro fator bem importante. “Para não deixar o liso marcado, o corte deve ser sempre feito com tesoura desbaste ou tesoura dentada e nunca com a normal”, aconselha Eron. É a garantia de fios lisos com mais brilho, naturalidade e, melhor, de saúde.

Sugestões de produtos:

Quem alisa quimicamente os cabelos deve ter um cuidado todo especial com os cabelos e couro cabeludo. Nesses casos, sugerimos o uso Clear Shampoo Pós Alisamento Químicosobretudo, se você já tinha caspa ou se desenvolveu após o alisamento. 

Caso você tenha cabelos naturalmente crespos, o Creme de Tratamento TRESemmé Selagem Capilar Crespo Química, que tem manteiga de karité na fórmula, promete ser um poderoso hidratante. Ele tem aminoácidos que ajudam a fortalecer os cabelos danificados pela química, sem deixá-los oleosos.

Para dar finalização hidratante aos cabelos, experimente o Óleo Nexxus Oil Infinite, que auxilia na redução do frizz prometendo fios maleáveis e sem aspecto pesado.