#AmoMeuCabelo: filho e netos mantém profissão do patriarca viva na Barbearia do Seu Zé

barbearia-do-seu-ze-abre-782x439.jpg

Nem sempre é só o pai que exerce a função de figura paterna em uma família. Muitas vezes um tio ou até o avô tem essa representatividade muito forte, como era o caso de José Ferreira de Souza, o Seu Zé. Militar por muitos anos, mas vaidoso e apaixonado por cortar cabelo, o policial se dedicou à profissão de barbeiro depois que se aposentou e despertou uma paixão por esse universo, anos depois, no seu filho Divanildo Aparecido de Souza, o Nino, e nos seus netos, Marcelo Calligaris e Kelvin Calligaris. Eles abriram a Barbearia do Seu Zé, toda pensada em homenagem ao patriarca da família, nos mínimos detalhes.

Funcionando desde 2019 na Zona Oeste de São Paulo, a Barbearia do Seu Zé é a continuação do legado que o patriarca começou a construir com a profissão que amava, a de barbeiro. Seguindo os seus passos, o filho e os sobrinhos mantêm a sua memória viva e o amor por transformar as pessoas através da aparência.

Profissão de barbeiro é legado de família

Apesar da paixão pela profissão de barbeiro que Seu Zé tinha, foi só depois da morte do patriarca que esse universo voltou a ser explorado pela família. Nino, que tinha os cabelos cortados pelo pai desde bebê, trabalhou durante muito tempo em outras áreas, até que, por sugestão de um amigo, resolveu investir na carreira de cabeleireiro. “Estava conversando com um amigo meu, que era cabeleireiro e ele falou: por que você não segue essa profissão? Tem a sua cara! Aí eu falei: eu, barbeiro? Onde já se viu um negócio desse? E tentei. Mas no começo é tudo muito difícil, né? Com o passar do tempo eu fui vendo que aquilo tinha a ver comigo”.

Mas a ideia de abrir o negócio veio de Marcelo, que é contador por formação, mas um frequentador de barbearias já há muitos anos, desde que foi a uma pela primeira vez, quando ainda morava em Curitiba. Quando voltou para São Paulo, decidiu investir no negócio, contando com a ajuda do tio Nino, que é cabeleireiro e barbeiro há 30 anos, e do irmão Kelvin, que é engenheiro mecânico, e voltou correndo da Austrália, onde estudou inglês e fez pós-graduação em Business, para abrir a barbearia com o irmão.

Tudo, então, como não podia ser diferente, foi feito pensando no Seu Zé, desde a sua aparência física, que serviu de inspiração para o logo da barbearia, com o seu chapéu e bigodinhos, característicos, até o uniforme usado pelos funcionários, inspirado na camisa militar que o barbeiro usava.

Vaidade é coisa de família e virou negócio

Se tem uma coisa que é unanimidade na família, é que são todos vaidosos. E isso veio do seu Zé, que pedia até para o neto Marcelo tirar os pelos brancos que apareciam nele. “Isso é mal de família. A minha família toda é vaidosa, minha mãe era muito vaidosa, meu pai era muito vaidoso, ele pintava o cabelo, pintava o bigode…”, conta Nino das lembranças do pai. “É aquele nível de vaidade que você se acha, lógico, em um sentido bom, e isso com certeza veio do nosso avô, porque de todas as histórias que me contaram, eu conseguia identificar esse narcisista cômico nele”, confessa Kelvin, que não chegou a conhecer o avô, mas herdou muitos dos trejeitos dele.

Assim, seguir no segmento de beleza parecia uma coisa natural para a família. “A gente enxerga que essa pegada de o homem não ficar mais relaxado, se cuidar, cuidar do cabelo, cuidar da pele isso é o futuro, não tem jeito. E é uma grande oportunidade em termos de business”, acredita Marcelo. “A estética tem um poder de influência muito grande no nosso dia a dia e o nosso objetivo é tornar a vida das pessoas mais satisfatória, mais feliz… não existe nada mais satisfatório do que fazer o serviço em um cliente e receber um elogio”, completa Kelvin.

Nino observava o poder dessa transformação no visual desde criança, enquanto via o seu pai cortar o cabelo das pessoas. “A pessoa entrava de um jeito, saía de outro e eu falava: nossa que louco, como é que a pessoa pode entrar aqui de um jeito e sair mais bonita?”, relembra.

Próximo

E o que o Seu Zé ia achar disso tudo?

Seu Zé morreu bem antes de ver os seus familiares transformarem a sua paixão em um negócio e legado para a família, em 1985. Mas se ele pudesse ver no que uma de suas profissões se transformou, o filho e os netos têm certeza de que ele estaria muito orgulhoso. “Eu acho que meu pai diria pra mim: nossa, filho, não acredito que você tá nessa profissão”, imagina Nino.

Marcelo acredita que se o avô estivesse vivo iria se surpreender com a Barbearia do Seu Zé, em homenagem a ele. “O amor que ele doou pra mim foi algo que não tem preço, então essa é uma tentativa de compensar esse amor”. Kelvin também acredita que o avô estaria orgulhoso. “Ser empreendedor não é para todo mundo, a gente ainda abrir um negócio em família, não é só dinheiro, não é só atingir objetivos, a gente tem valor agregado aqui muito forte. Isso aqui é o legado da nossa família, então tudo o que a gente faz é com amor. Uma pessoa que senta na nossa cadeira é como se fosse alguém da nossa família. Essa é a mensagem que nosso avô sempre quis transparecer para todos os clientes”.

Sugestão de produtos

Além de ter um corte de cabelo legal, cuidar dos cabelos com produtos de qualidade também é importante. Na hora de lavar o cabelo a gente sugere o Shampoo Anticaspa Clear Sports Men Limpeza Profunda ou o Shampoo Dove Men+Care 2 em 1 Força Resistente.

Para finalizar o cabelo, que tal usar uma pomada? A gente sugere a Pomada Modeladora Bed Head For Men Pure Texture.

Próximo